Concurso de Oratória em Língua Japonesa – São Paulo & Benron Taikai: Relatório da Visita ao Japão do Melhor Classificado 1

Registramos aqui o relatório da visita ao Japão do Hitoshi Takinami, o primeiro colocado no Concurso de Oratória em Língua Japonesa – São Paulo de 2012, conquistando a passagem de ida e volta ao Japão, oferecida pela Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil e pela Global Viagens.


Relatório da Visita ao Japão do Melhor ClassificadoNa escola que eu frequentava, percebi que, durante as apresentações de trabalho escolar, os não descendentes de japoneses tinha a facilidade de expor suas ideias e opiniões. No entanto, os descendentes de japoneses (nikkeis) não apresentavam a mesma facilidade, não sei se eram reservados ou introvertidos. E eu era um deles também. Por isso, decidi participar nos concursos de oratória a fim de conseguir me comunicar espontaneamente como os não descendentes.

No começo, eu não conseguia me classificar, mas com o provérbio “Nana korobi, ya oki (Caiu sete vezes e levantar na oitava)” em mente, ensinado pela professora da escola de língua japonesa, esforcei-me ano após ano sem me decepcionar. Assim, no 6º Concurso de Oratória em Língua Japonesa, realizado pela Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil (Kenren) e Pelo Centro Brasileiro de Língua Japonesa (CBLJ), conquistei a 1ª colocação e, naquele momento, tive um forte sentimento de que foi realmente bom ter estudado a língua japonesa. E estou muito grato pela professora de japonês da associação cultural e esportiva de Santana. Como prêmio recebi, da Agência de Turismo Global e do Kenren, uma passagem de ida e volta para o Japão e meu maior desejo era ver a diferença entre os japoneses e os nikkeis.

Relatório da Visita ao Japão do Melhor ClassificadoRelatório da Visita ao Japão do Melhor Classificado

Relatório da Visita ao Japão do Melhor ClassificadoEnquanto andava pelas ruas japonesas, os motoristas não tocavam as buzinas e, além não havia pichação alguma nem nas paredes das casas nem dos prédios. Mesmo dentro das lojas, nas ruas, os japoneses se respeitam muito, evitando qualquer incômodo aos próximos e, caso aconteça algo, desculpam-se imediatamente. É um país tão seguro que pensei em morar lá por um tempo. Alem disso, dentro dos trens, não se atende o celular nem se conversa em voz alta entre as pessoas.

Observa-se nos nikkeis, a falta de interesse na língua japonesa e são poucas as famílias que conversam em japonês. Portanto, para não esquecer a cultura e a origem japonesa, me esforçarei para divulgar as pessoas e atraí-las aos eventos japoneses.

Os trens do Japão têm uma incrível pontualidade, sistemas ferroviários fantásticos e uma rede de túneis extremamente complexo. Espero que, um dia, os metrôs de São Paulo também cheguem ao nível dos trens japoneses.

Relatório da Visita ao Japão do Melhor ClassificadoUma das melhores coisas de ter estudado japonês é poder receber a passagem de ida e volta. Não só a passagem, mas, quando visitei o Museu de Tecnologia da Toyota, entendi tudo o que o guia explicou e fiquei muito feliz. Irei estudas mais ainda a língua japonesa, fazer a graduação aqui no Brasil e, se possível, a pós-graduação no Japão.

Hitoshi Takinami